Games 4Evil! - Tudo sobre games

Novidades, análises, prévias e mais sobre jogos


    Fatal Frame

    Compartilhe
    avatar
    Teteu


    <b></b> :
    Online
    Offline

    <b>Jogo Favorito</b> Jogo Favorito : Saga Silent Hil
    <b>Data de inscrição</b> Data de inscrição : 28/06/2011
    <b>Mensagens</b> Mensagens : 2085
    <b>Pontos</b> Pontos : 2656
    <b>Avaliações Positivas</b> Avaliações Positivas : 69
    <b>Frase</b> Frase : Canal Youtube: Mateus Games TOP

    Aprovado Fatal Frame

    Mensagem por Teteu em 17/7/2013, 12:47



    Fatal Frame


    Introdução

    A Tecmo ficou famosa com jogos de quase todos os estilos, inclusive luta, Strategy-RPGs, Platformers, entre outros. Nomes como Dead or Alive, Ninja Gaiden, Croc, Disgaea, Deception, Dynasty Warriors e Monster Rancher não me deixam mentir. Ela sempre se meteu em diversos campos e até jogos de futebol ela tem em seu currículo. Quando se achava que a Tecmo não iria mais se aventurar em nenhum grande gênero, eis que ela anuncia uma tentativa no gênero Survival-Horror. Aos poucos, conforme imagens e vídeos eram lançados, o jogo foi causando alguma expectativa, até que ele começou a ser realmente ansiado pelos fãs do gênero. Zero, nome da franquia no Japão que viria a se tornar Fatal Frame na América, inicialmente pegou fama pelo subtítulo: "Baseado em fatos reais". Um jogo de terror baseado em fatos reais? Parece promissor, não? Como isso é possível? Veremos isso e muito mais no decorrer dessa análise.



    Informações técnicas



    Publicado por: Tecmo
    Desenvolvido por: Tecmo
    Gênero: Survival-Horror
    Diretor: Makoto Shibata
    Plataforma: Playstation 2
    Data de lançamento: 13 de dezembro de 2001
    Faixa etária: Teen



    Trilha-sonora do Jogo



    Sobre a história (contém spoilers)

    Fatal Frame se baseia fortemente na cultura urbana japonesa. Não estou falando dos grandes centros, da alta tecnologia e da zona conturbada de Tóquio, e sim da parte mais volumosa e menos repercutida aqui no Ocidente do Japão: aquela parte rural, mais calma, menos movimentada, repleta de pessoas simples e trabalhadoras, grandes mansões de madeira sem tecnologia alguma e muitas religiões e mitos. Uma fração grande da história do Japão, que é muito rica em histórias e em lendas. O imaginário japonês é muito fértil, e vale a pena conhecer um pouco do que eles consideram assustador. Diferente do que é concebido aqui no Ocidente, com monstros oriundos de ficções científicas inventados na Europa, como zumbis, lobisomens, frankensteins, vampiros e tudo o mais, para eles a origem de medo é diferente. Vamos conhecer um novo inimigo (tudo bem, talvez não tão novo assim): os espíritos. Caso acredite em vida após a morte ou não, no Japão o povo é profundamente religioso, e essas histórias com fantasmas e casas mal-assombradas permeiam suas lendas mais populares. E a história de Fatal Frame é justamente baseada em algumas dessas lendas que alguns japoneses juram ser verdade. Vamos conferir:

    Tudo começa por causa de um famoso novelista de terror japonês chamado Junsei Takamine.



    Takamine tem sofrido alguns problemas de criação de novas obras e, desde 1986, vem passando por problemas financeiros. Ele andava sem inspiração para poder desenvolver uma nova obra. Até que ele toma uma medida desesperada: ele planeja visitar alguma mansão abandonada que o vilarejo local afirma ser mal-assombrada. A intenção era se inspirar para criar um novo livro de terror sobre espíritos.

    E ele não foi sozinho. Ele levou seu editor, Koji Ogata:








    E também a sua assistente pessoal, Tomoe Hirasaka:







    font=Trebuchet MS]Os três decidem explorar a mansão Himuro, uma das mais famosas lendas da região. Nesta mansão, os moradores praticavam todo tipo de rituais macabros, incluindo sacrifício de animais e seres humanos, tortura medieval e invocação de espíritos e demônios. A mansão recebia hóspedes de toda parte da cidade, eles faziam festas secretas escondidas aos olhos de todos, e também pessoas desapareciam misteriosamente nos arredores. Crianças eram as principais vítimas, assim como mulheres. Até que, um dia, o senhor da casa ficou louco e assassinou todos os demais moradores de forma brutal e sanguinolenta, e então ele próprio desapareceu. Desde então, ninguém havia ousado chegar perto da mansão Himuro... Até então.

    Junsei Takamine vai ao local e, dias depois, ele ainda não saiu. As pessoas ficam preocupadas com o que pode ter ocorrido com ele e sua equipe lá dentro. Como um modo de tentar descobrir o que está havendo, um escritor iniciante chamado Mafuyu Hinasaki decide ir até a mansão Himuro sozinho e encontrá-lo.




    Mafuyu é um escritor de livros de terror iniciante, e sempre foi apaixonado por histórias assustadoras e locais mal-assombrados. Mafuyu nasceu com o dom de poder enxergar espíritos e coisas paranormais. Isso sempre o cativou, e serviu de incentivo para que pesquisasse bastante acerca do assunto, o que fez com que se tornasse quase um especialista em paranormalidade. E ele deve esse dom à sua família, já que herdou isso de sua falecida mãe, Miyuki Hinasaki.




    Miyuki é uma figura pouco conhecida do jogo, e muito misteriosa. Só o que se sabe é que ela nasceu com o dom de ver fantasmas, e isso fez dela uma criança especial, que conversava com os mortos e não tinha medo de nada. Miyuki era sempre visto com uma câmera fotográfica, que lhe foi concedida pela sua mãe, Mikoto Munakata, a qual recebeu a câmera de uma garota na mansão Himuro. Ninguém sabia porque ela gostava tanto da câmera, mas a resposta é que essa câmera é mágica: ela é capaz de fotografar fantasmas e espíritos diretamente. Após ter dois filhos, Miyuki passou a ser fortemente atormentada por esses espíritos, que a deixaram irremediavelmente louca. Então, dias depois ela se suicidou se enforcando em uma árvore.

    Mafuyu herdou a câmera fotográfica que é capaz de enxergar fantasmas, chamada de Camera Obscura. Ele a usa para registrar os espíritos e fantasmas com o qual se depara, já que a câmera possui o poder de exorcizar também. Mas, mesmo assim, Mafuyu nunca mais foi visto desde que entrou na mansão Himuro.

    E então começa o enredo propriamente dito. A protagonista do jogo é Miku Hinasaki.




    Miku é a irmã de Mafuyu Hinasaki e a filha mais nova de Miyuki Hinasaki. Ela também é capaz de ver espíritos, e de se comunicar com eles. Apesar de sua aparência frágil, ela não é medrosa, e, pelo contrário, possui mais coragem do que muitos marmanjos por aí.

    Após desconfiar do desaparecimento de seu irmão por duas semanas, ela descobre que ele foi até a mansão Himuro, e decide ir atrás dele. Ela vai a princípio desarmada e indefesa. Entrando na mansão, no entanto, logo ela descobre que as saídas se trancam e que o local está repleto de fantasmas dos antigos moradores que foram chacinados ou pelos rituais macabros do local ou pelo senhor da casa. Para a sorte dela, em pouco tempo ela encontra a Camera Obscura, que foi trazida ao local pelo Mafuyu e aparentemente abandonada. Com essa ferramenta, ela é capaz de se defender dos espíritos.

    Logo Miku descobre os fantasmas dos recém-mortos Junsei Takamine e toda a sua equipe. Através dos documentos de Takamine e dos demais integrantes de seu grupo, Miku aos poucos vai aprendendo mais e mais acerca dos estranhos e assombrosos rituais que eram praticados na mansão Himuro. São três grandes rituais: o Blinding Ritual, o Demon Tag Ritual e o Strangling Ritual. Cada um é mais estranho e bizarro do que o anterior. Eles são tão estranhos que dá desgosto de descrever, mas vou explicar cada um deles a seguir:

    O Blinding Ritual é o primeiro que acontece. A princípio, eles selecionam um grupo de donzelas virgens para realizar todos os preparativos para os rituais. Então, uma das donzelas é selecionada para carregar uma máscara que possui estacas no lugar dos olhos. A intenção da máscara (que se chama máscara cegante) é cegar a vítima que a usar. A donzela com a máscara, chamada de Blinded Demon, então se torna uma representação do demônio, e, sem poder enxergar nada, deve capturar as outras donzelas. Aí começa o segundo ritual, o Demon Tag Ritual. Ele consiste de um jogo de pega-pega no qual a garota com a máscara cegante deve encontrar e capturar as donzelas, que tem apenas de escapar dela. A donzela que for capturada se torna a próxima donzela a carregar a máscara cegante, e assim por diante, até sobrar apenas uma donzela. E essa donzela, aquela que for mais inteligente e mais capaz de "escapar dos demônios" é chamada de Rope Shrine Maiden e é a que deve ser levada ao terceiro e mais significativo dos rituais, o Strangling Ritual. Nesse ritual, a donzela selecionada é amarrada com cinco cordas: uma em cada pulso, em cada tornozelo e no pescoço. Então, as cinco cordas são puxadas ao mesmo tempo, em círculo, até que a donzela morra estrangulada e tenha cada de seus membros partidos. A corda, então, é considerada "abençoada" por ter tirado a vida de uma donzela tão pura, e passa a possuir o poder de exorcizar o grande demônio. Enfim, esses foram os rituais. Se não achou macabro o suficiente, espere para ver as imagens no jogo. Não me culpe se não conseguir dormir à noite.

    O motivo para que haja todos esses rituais é que há um portal no subterrâneo da mansão Himuro, conhecido como Portal do Inferno. Se esse portal abrir, os demônios vão sair e começar uma calamidade sobre a Terra. Então, de tempos em tempos, uma corda sagrada tem de ser usada para amarrar a porta e impedir que os demônios saiam. E essa corda é "abençoada" com o sangue de uma donzela que passou por todos os rituais de purificação. Caso aconteça alguma coisa com a donzela, ou ela não seja realmente pura, a corda pode falhar e os demônios se libertarem. Nem preciso ressaltar o quanto isso seria ruim, não é mesmo? Pois é. Mas foi exatamente isso o que aconteceu.

    Anos atrás, os demônios conseguiram se libertar do Portal do Inferno, e amaldiçoaram a mansão Himuro. A causa ainda é desconhecida, mas é isso que Miku tenta descobrir. Durante a sua investigação na mansão, Miku aos poucos vai descobrindo mais e mais coisas. Ela chega a se deparar com Mafuyu diversas vezes, vendo que ele está vivo, mas não consegue falar com ele. Por sua vez, Miku ainda recebe ajuda o tempo todo de uma garotinha simpática em kimono branco.




    Miku logo descobre que essa garotinha que aparece em tempos de necessidade é a pequena Kirie Himuro, a donzela que anos atrás foi selecionada para ser a Rope Shrine Maiden, e que acabou falhando em sua missão, resultando na libertação dos demônios e na morte de muitas pessoas. Não se sabe direito o que ela quer e porque ela ajuda Miku a resolver o mistério, mas ela pretende mostrar alguma coisa para a Miku. E Miku vai seguindo jogo dela. Fora a pequena Kirie, outra fantasma persegue Miku por todos os lados (além dos fantasmas habituais):




    Essa é a mesma Kirie Himuro, só que crescida e transformada em u fantasma maligno e vingativo. Essa é a forma que ela assumiu anos depois, após a libertação dos demônios que corrompeu o seu espírito. Essa fantasma é a mais mortal de todas, e persegue Miku o tempo todo. Ela chega a conseguir capturar Miku diversas vezes, e, sempre que ela consegue, Miku adormece e desperta com marcas de cordas em seus membros. Sim, Miku está sendo amaldiçoada.

    Miku descobre o motivo pelo qual o fantasma da Kirie não eliminou Mafuyu até então: acontece que coincidentemente Mafuyu se parece muito com um rapaz do qual Kirie se apaixonou no tempo em que ainda era Rope Shrine Maiden. E isso foi a causa de tudo isso: a Rope Shrine Maiden tem de ser pura para que o ritual funcione. E quando a donzela se apaixonou por esse rapaz, corria o risco de que ela se desvirtuasse e deixasse de ser pura. Por isso, o senhor da mansão mandou assassinar o pobre rapaz. Quando a donzela descobriu isso, ela entrou em um estado de choque e passou a sentir remorso pela morte dele, o que corrompeu a sua alma e fez com que ela não chegasse pura no momento do ritual. Sendo assim, tudo deu errado e aconteceu o desastre que todos nós já sabemos. Ao encontrar Mafuyu, o fantasma da Kirie o o confundiu com seu antigo amor, e por isso tenta atrai-lo para viver com ele na mansão.

    E então Miku faz outra grande descoberta: é possível reparar o erro do ritual anterior. A alma da Rope Shrine Maiden pode auxiliá-la a refazer o ritual, e eles só precisam da corda e de um espelho chamado Holy Mirror. Esse espelho é usado no ritual, e ele se fragmentou em vários pedaços durante o fracasso do ritual anterior. Miku consegue reaver os fragmentos e remonta o Holy Mirror. Ela ainda descobre que Mafuyu está fazendo a mesma coisa, tentando aprisionar os demônios de uma vez por todas e acabar com a maldição da mansão, aproveitando-se de sua posição de "vantagem" em relação à Rope Shrine Maiden. Miku consegue acesso ao local do ritual, e logo se encontra defronte o Portal do Inferno. Miku é interrompida de refazer o ritual pela presença do fantasma da Kirie transformada, e então começa a batalha definitiva. No momento da batalha, a Camera Obscura não consegue absorver o espírito da Kirie e exorcizá-la, se quebrando. Sem sua arma, Kirie não tem escolha a não ser inserir logo o Holy Mirror, e, ao fazer isso, Kirie Himuro finalmente é exorcizada. Ela assume sua forma adolescente, que é a forma que se apaixonou por aquele rapaz. Até que ela era bem bonitinha, vejam só:




    Já que Kirie voltou ao normal, o ritual pode mais uma vez ser refeito. Ela consegue a corda sagrada, e, juntamente do Holy Mirror, eles refazem o ritual. Kirie Himuro se sacrifica em nome do bem de todos, e o Portal do Inferno é selado de uma vez por todas. Todos os fantasmas são exorcizados e a mansão Himuro volta a ser um local de paz (não sei como um local que tem o Portal do Inferno em seu subterrâneo pode um dia ter paz, mas tudo bem). Mafuyu pode escolher entre ficar e se sacrificar junto com a Kirie, dando força a ela, ou escapar para cuidar de sua irmã. Tudo depende do seu nível de dificuldade escolhido no jogo. E assim termina essa macabra história de terror ao estilo japonês. Espero que tenham gostado!


    Sobre o jogo

    A Tecmo conseguiu uma proeza que eu, até então, acreditava ser impossível: fazer um jogo de terror baseado em fatos reais. Como que acontecimentos tenebrosos podem ser concebidos dentro da nossa realidade, tão básica, monótona e puramente convencional? Só tem um jeito: mostrando a realidade de um país como o Japão! Porque a realidade deles não é nada normal.

    Fatal Frame é totalmente baseado em lendas populares e urbanas japonesas. Categoricamente isso quer dizer que o jogo tem bem menos impacto aqui do que teve por lá, já que não conhecemos essas tais lendas. Mas essas lendas realmente existem, o que faz com que o rótulo "baseado em fatos reais" fique um tanto perturbador. É como se fizessem um jogo brasileiro sobre a loira do banheiro ou sobre um maníaco que distribuía boa-noites Cinderela em boates para roubar rins de suas vítimas. Simplesmente bizarro.

    Os japoneses levam extremamente a sério essa coisa de espiritismo, vida após a morte, fantasmas e encostos. A maioria das crenças e religiões orientais pressupõem que os espíritos dos mortos vagueiam em um plano espiritual que fica em contato com o nosso plano material, ou seja, eles acreditam seriamente nessa questão de "conversar com fantasmas" e coisas do gênero. Espíritos para eles é coisa séria, tanto é que há milhares de templos onde eles oram pedindo proteção, amarram fitas e tiras de papel com mensagens anti-encosto, e evitam fazer brincadeiras ou profanar mortos para não irritá-los. Agora, imagine só como deve ter sido para eles jogar um jogo no qual nossos inimigos são fantasmas recém-desencarnados.

    Fatal Frame se mostra, então, riquíssimo no aspecto cultural. Esqueça elementos de terror ocidentais, como vampiros, lobisomens, zumbis e coisas do gênero. Fatal Frame é mais humano, mais surreal. Tudo o que podemos encontrar no jogo nos remete ao estilo oriental de ser, de pensar, e, principalmente, de agir. Podemos conhecer melhor seus medos, suas histórias, suas lendas e como eles criam cenas e atmosferas de horror. Apesar de que alguns preferem o estilo ocidental de terror, saiba que o estilo oriental de causar tensão e medo nas pessoas também é bem vasto, e, se não conhece o estilo, não há jogo melhor do que Fatal Frame para causar uma boa primeira impressão.

    Agora vamos falar sobre  jogo em si. Fatal Frame é um survival-horror, e, como tal, nosso objetivo no jogo é apenas um: sobreviver. Controlamos uma personagem que é altamente vulnerável, temos quantidade limitada de suprimentos e vivemos sobre perigo constante, com inimigos por todos os lados, em uma atmosfera de medo, suspense e tensão. Sustos e calafrios são uma constante.

    Diferentemente de outros jogos, em Fatal Frame nossos oponentes são fantasmas. Sim, fantasmas, os espíritos de pessoas mortas. E são fantasmas de pessoas bem atormentadas, diga-se de passagem. Cada fantasma possui um passado, com direito a uma história macabra que relata os acontecimentos de sua morte. Pois bem, eles não são nada gentis, e aparecem do nada a todo momento para nos atacar. Os fantasmas são capazes de causar dano, e ainda por cima podem atravessar paredes e portas. Isso quer dizer que fugir dos fantasmas nem sempre é uma boa ideia, já que eles podem nos encontrar em qualquer lugar. E não desistem tão facilmente.

    Já que nossos inimigos não são convencionais, nossa arma também não poderia ser convencional. Ao invés de espadas, bombas, espingardas e metralhadoras, teremos de enfrentar os fantasmas com... Uma câmera fotográfica. Sim, uma câmera semelhante a que você deve ter em casa, e usa para tirar fotos nos aniversários dos seus parentes menores. Pois é, temos controle sobre uma câmera especial, chamada Camera Obscura, com o poder de absorver os fantasmas e aprisioná-los em suas fotos, exorcizando-os conforme as fotos são tiradas. Parece estranho falando, mas fica sensacional de se ver funcionando.

    Nos movimentos em terceira pessoa, mas, ao empunhar a câmera, ficamos em visão de primeira pessoa. Podemos mover o foco da câmera com o analógico esquerdo, enquanto movimentamos o próprio personagem com o analógico direito. Desta forma, podemos enfrentar os fantasmas com maior ênfase, já que podemos nos mover para os lados ou para trás, desviando dos golpes enquanto focamos no fantasma que queremos exorcizar. Apenas não se esqueça de que, em primeira pessoa, não há uma noção exata do que tem em nossa volta, então ficar encurralado em uma quina da parede ou em um obstáculo é muito corriqueiro de se acontecer senão tomar cuidado.

    Você deve estar se perguntando como é que enfrentar fantasmas com uma câmera pode ser uma coisa legal.   Saiba que é tão divertido quanto enfrentar monstros em outros jogos. Com a câmera empunhada, um sensor de presença nos mostra em que direção está sendo "sentida" a presença de um espírito. Ao mirarmos no fantasma, um medidor de foco vai se enchendo. Quanto mais preenchido estiver o medidor de foco, mais dano causará a nossa foto. Portanto, não é só mirar e disparar. É bom sempre esperar encher a barra de foco antes de cada disparo para causar mais dano ao oponente. Também é possível dar um contra-golpe no oponente: quando o fantasma pretende atacar, a câmera foca em laranja. Se tirarmos uma foto nesse exato momento, causaremos um dano crítico, que causa um excelente dano e ainda paralisa o fantasma por alguns instantes, permitindo mais fotos.

    Causar bons danos não é eficiente apenas para tirarmos maior dano do oponente: eles rendem mais pontos também. Em Fatal Frame, as fotos tiradas rendem pontos, chamados de Spirit Points, que por sua vez podem ser convertidos em upgrades para a câmera. Quanto melhores forem as fotos, mais pontos elas valem. Há multiplicadores de pontos, que sempre valem a pena serem conseguidos, como por exemplo o Core Shot (tirar a foto com o fantasma bem centralizado), Close Shot (tirar a foto bem próximo do fantasma), além dos já citados Critical Shot (com a barra de foco cheia) e Zero Shot (foto tirada no momento de ataque do fantasma). Tirar a última foto do fantasma, capturando-o com uma foto especial, como Critical ou Zero, pode render o dobro ou o triplo de pontos de uma foto comum.

    Vamos falar sobre as Spirit Points. Acumulando uma quantidade de pontos, podemos usá-las para melhorar a nossa Camera Obscura. O menu de upgrades fica disponível a qualquer momento. Nele, podemos escolher se usamos nossos pontos para incrementar a nossa câmera em algumas características específicas, como Range (alcance), Speed (velocidade de movimentação) e Max Value (valor máximo de dano causado por cada foto). Incrementar a câmera e deixá-la mais potente é essencial para conseguir se dar bem nos fantasmas mais poderosos. Além de incrementar a câmera, ainda é possível comprar novas habilidades que podem deixá-la ainda mais eficiente no exorcismo.

    A Camera Obscura não é capaz apenas de tirar fotos. Entre as habilidades que podemos adquirir, está Pressure, que empurra os fantasmas, Slow, que os deixa mais lentos, See, que permite vê-los com mais facilidade, Paralyze, que paralisa os fantasmas, e Search, que mostra a localização dos fantasmas na área. Após comprar determinada habilidade, ela se torna disponível para ser equipada. Podemos equipar apenas uma habilidade por vez, e, para usá-las, é necessário que tenhamos Spirit Stones. Cada vez que usamos a habilidade consumimos uma Spirit Stone.

    Os fantasmas estão espalhados por todos os cantos. Eles sempre começam com uma aparição dramática, que revela sua origem e como aquela pessoa se tornou um fantasma. Então, após derrotá-lo pela primeira vez, ele pode aparecer de surpresa a qualquer momento para nos amedrontar. Os fantasmas podem aparecer de forma randômica, e isso quase sempre acontece quando ficamos muito tempo explorando determinada área do cenário. Quando os fantasmas principais (geralmente chamados de "chefes") aparecem, as saídas se trancam e somos obrigados a enfrentá-los. Mas os fantasmas comuns podem ser ignorados, se quiser. Tudo bem que fugir de um fantasma é algo quase que impossível, levando em consideração que a protagonista corre muito lentamente, e que os fantasmas são capazes de se teleportar, atravessar paredes e objetos e nos seguir por várias salas. Mas eles geralmente param de nos seguir quando nos afastamos demais de seu local de origem ou quando entramos em uma sala de save.

    Nem todos os fantasmas do jogo são ofensivos. A mansão está repleta de fantasmas imóveis que apenas ficam guardando algum respectivo lugar. Eles não são visíveis a olho nu, e apenas aparecem com a visão da câmera. Para encontrá-los, é preciso paciência e atenção: a luz de presença de fantasmas irá brilhar em azul quando estiver próximo de um desses fantasmas especiais. Ao fotografá-los, ganhará muitos e muitos pontos extras. Além deles, há alguns fantasmas especiais, que apenas tentam nos dar susto. Eles aparecem atrás de portas, atravessando paredes de repente, ou outras coisas assim. Às vezes, eles até mesmo nos indicam por onde temos de ir. A câmera do jogo sempre dá um close na direção desses fantasmas quando eles aparecem, mas eles logo somem, de modo que, se quiser tirar foto deles, terá de ser rápido, antes que ele suma. Quanto mais rápido for a foto, e quanto melhor ela for, mais pontos ela fornecerá.

    Para tirar fotos no jogo, é claro que precisará de muitos filmes. E sim, os filmes que usamos são limitados, de modo que não pode sair por aí fotografando tudo a torto e a direito. Há três tipos de filme no jogo: o tipo 14, o tipo 37, o tipo 74 e o tipo 90. Nessa ordem, os filmes vão ficando mais poderosos e com maior poder de exorcismo. Quanto mais forte é o filme, mais raro é encontrá-lo, então a metodologia a ser empregada é a mesma para a munição convencional dos survival-horrors: economize as munições mais importantes para os momentos de maior necessidade, ou terá problemas.

    Miku possui uma barra de vida sempre presente no canto. Ela vai se esgotando conforme o dano que recebemos dos fantasmas, e, acredite, ela se esgota MUITO rápido. Talvez esse seja um dos elementos que torna esse jogo muito difícil: a Miku perde muita vida. Mesmo no modo de dificuldade mais fácil, muitas vezes basta um golpe para perdermos um teço, até metade de nossa barra de vida. Tanta vulnerabilidade torna a morte uma coisa constante, já que, se formos encurralados por dois fantasmas ou mais, as chances de conseguir sobreviver são ínfimas. Para recuperar a vida, o jogo fornece itens que curam metade ou a vida inteira. Há ainda Stone Mirrors, itens que ressuscitam o personagem quando ele morre. Cada Stone Mirror só pode ser usado uma vez, e só podemos levar um por vez conosco. Por sorte, há vários Stone Mirrors espalhados pelo cenário, de modo que, se perder logo, sempre poderá repô-lo.

    Os itens são bem limitados, contando com itens de cura e filmes para a câmera. Para evitar ficam sem, o jogador precisa se dedicar a procurar bem pelos cenários atrás de itens. A maioria dos itens aparece brilhando quando miramos com a lanterna em sua direção, o que serve como chamativo, mas os itens mais raros (como Stone Mirrors e as munições mais poderosas) não aparecem assim tão fáceis. Elas ficam muito bem escondidas atrás de móveis, em cantos escuros em pontos de difícil acesso, obrigando o jogador a procurar muito e tatear no escuro se quiser encontrá-los.

    Espalhados pela mansão, encontrará ainda alguns documentos assustadores, que contam a história do jogo do ponto de vista de alguns personagens. Alguns desses documentos, como os diários, contam a origem dos personagens que se tornaram fantasmas. Há ainda tapes, que podem ser ouvidos a qualquer momento, e mostram narrações completas de momentos críticos na história do jogo. Todos esses documentos são úteis caso pretenda compreender bem o que está acontecendo.

    Nem só de exorcismo é feito o jogo. Além de enfrentar fantasmas, Miku deve explorar bem os cenários, localizar itens e resolver puzzles. Fatal Frame não é muito voltado para a velha questão de achar "chaves ou cartões de acesso". Ao invés disso, ao encontrarmos uma porta trancada, podemos fotografá-la e saber o que precisamos encontrar para abri-la. Pode ser um item, ou a porta pode estar trancada com um encosto, que, se fotografado, libera a porta. Em certos momentos, teremos de resolver puzzles, que quase sempre são de digitação de códigos (que são encontrados em documentos) ou de encaixes de peças, jogos simples que não são tão exigentes assim de raciocínio. A maioria dos puzzles é simples, o que complica mesmo é que os caracteres e algarismos dos puzzles (essenciais para se localizar a resposta) estão em japonês, mesmo na versão americana e europeia do jogo. Isso complica bastante a resolução, mas, depois de um tempo, se pega o jeito sobre o que tem de ser feito.

    O jogo em si não é tão curto. Ele é dividido em capítulos, que são chamados de noites. O jogo inteiro se passa na mesma mansão, com as mesmas salas e os mesmos locais. A diferença é que, a cada capítulo que prosseguimos, mais locais vão sendo liberados, alguns itens mudam de lugar, portas antes trancadas ficam destrancadas e passagens antes disponíveis ficam seladas. É como se fosse várias mansões dentro de uma só, mas, no fundo, fica fácil se acostumar a se locomover pelo local sempre pelos mesmos caminhos. A mansão também possui um bom número de salas de save, de modo que não temos de caminhar muito para poder salvar o jogo. Podemos ver todas as salas de save diretamente no mapa, o qual é muito útil e organizado, mostrando a localização de portas, caminhos e passagens alternativas.

    Após fechar o jogo pela primeira vez, poderá recomeçar o jogo contendo todos os itens, habilidades e pontos que adquiriu no jogo anterior. Assim, poderá incrementar ainda mais a sua Camera Obscura, tornando-a com o máximo da potência. Além disso, poderá ver a lista de fantasmas que tem no jogo. Completar a lista de fantasmas requer encontrar todos mesmo, incluindo os imóveis e os temporários que só aparecem em determinados momentos-chave do jogo. Alguns deles são difíceis de se fotografar, e aparecem bem rápido, mas, se quiser ter todos, terá de ter atenção redobrada.

    Além disso, ao fechar o jogo pela primeira vez, conseguirá habilitar o modo Battle Mode. Nesse modo, temos um tempo limite para completar um desafio, que é sempre enfrentar um ou mais fantasmas com uma quantidade limitada de filmes e de vida. São 20 missões ao todo, com dificuldade crescente. Passar por todos os desafios do Battle Mode libra novos trajes para usar com a Miku, e um novo modo de dificuldade, chamado Nightmare, o qual possui um sistema de jogo diferente. A dificuldade Nightmare não é só bem mais difícil do que a dificuldade normal: ela muda a posição de alguns itens, a ordem de aparição de alguns fantasmas e ainda possui um final exclusivo diferente do original (um pouco diferente, na verdade). Vale a pena fechar o jogo na dificuldade Nightmare só para ver o melhor final do jogo.




     A MINHA ANÁLISE SOBRE O GAME :

    Gráficos:


    Como todo fã de Survivor Horro pode perceber, os gráficos da 2° geração nesse tipo não foram muito agradáveis, quem iria esperar um gráfico de um jogo de survivor horror em alta nesse tempo. Não vou discriminar o gráfico do Fatal frame, aliás achei que foi perfeito. Um jogo de Survivor horror não se pode dar um gráfico lindo, pelo contrário, ele tem de ser realista: Escuridão, Luz, medo, tensão, etc, tudo para causar medo no jogador, se não tiver essas qualidades, já era, Não é Survivor Horror meu fio. A TECMO soube realizar isso tudo nesse game, que para mim dou nota 9 aos gráficos, o cenário foi explendido, os fantasmas maravilhosos e os personagens sem palavras. (9/10)

    Som:

    Muitos críticos da época deram notas baixas ao som desse belo game, eu dou nota 9 tbm, quem é fã de survivor horror e sabe muito bem sobre as melodias lentas do famoso artista Akira Yamaoka ( Produtor das músicas de Silent Hill ) sabe do que eu estou falando. Fatal Frame possui sons distorcidos, vindo do inconsciente. Suas melodias são de arrepiar, mechem muito com a parte sentimental da pessoa, fazendo - a viajar e sentir mais medo. Na hora da batalha com um fantamas, o som deixa a desejar, não ficou muito bom. A fala dos personagens tbm ficou bom, até mesmo na fala dos fantasmas. Na minha opinião nota 9 ao som do game. (9/10)


    Jogabilidade:

    Fatal Frame possui uma jogabilidade que é um misto de vários estilos. A Tecmo optou por não apresentar aquela jogabilidade paradona que tanto atormenta as franquias Resident Evil e Silent Hill (eu mesmo já critiquei esse método de movimentação diversas vezes), e trouxe uma jogabilidade mais livre e fluida... Mas não menos atrapalhada. Vejam bem, a ideia foi boa. Controlamos Miku da forma como controlamos Snake em Metal Gear. Tinha tudo para dar certo, não é? Pena que não foi bem assim. Com a mescla de câmeras estáticas e câmeras móveis, que acompanham o personagem, um estilo de movimentação que depende do ângulo de visão é estranho. Veja bem, você pressiona para a direita e segue naquela direção. Aí a câmera muda de ângulo e você continua segurando para a direita, mas, ao invés de seguir em linha reta, o personagem vai em outra direção, porque a noção de "direita" mudou com a câmera. Isso atrapalha mais do que pensa, principalmente nos momentos críticos, quando enfrentamos um oponente veloz ou quando queremos apenas correr de um fantasma que não queremos enfrentar. Fica confuso. E o sistema de combate também tem suas falhas. Ele não é tão objetivo. Leva-se muito tempo para entender como é que se funciona o modo de batalha, e as explicações do tutorial são vagos demais para se entender de princípio. Até que se pegue o jeito do sistema de combate, ou irá gastar muitos kits de vida ou irá morrer repetidas vezes. Eles poderiam ter aprimorado mais o tutorial, porque tem muita coisa que passa batido, e esse sistema é complexo demais para a curva de dificuldade profunda demais no início do jogo. Isso tornou a jogabilidade desnecessariamente frustrante e incômoda aos iniciantes, o que pode afastar alguns jogadores menos hardcore. Uma pena, pois, depois que se pega o jeito, fica muito viciante. Mas, por todos esses aspectos aqui apresentados, justifico que o empenho que a Tecmo teve com a jogabilidade foi mediano.
    (5/10)

    Diversão:

    Fatal Frama é diversão a toda hora, seja na manhã, tarde, noite, madrugada, em qualquer horário vc pode jogar. Vc sentirá a mesma tensão a qualquer momento do dia que vc joga. As cenas de terror não são constantes, mais o que chama realmente atenção é como o ambiente que vc convive dentro do jogo é algo estremamente assustador, isso que faz você se sentir preso ao jogo. Para mim dou Nota 10. (10/10)

    Nota Final: 9/10


    Em resumo: Fatal Frame supre uma necessidade essencial do fã de Survival-Horror: é terror que não acaba mais. Sim, pois o horror e os sustos são o que mais está faltando nos Survival-Horrors de hoje. Todos (com algumas poucas exceções) estão cada vez mais focando no combate, nos gráficos e na história mais elaborada, mas o elemento primordial do gênero - o terror - veio se perdendo. Fatal Frame uniu muita coisa, mudou alguns conceitos, apresentou novos parâmetros e ainda deu uma aula básica sobre lendas urbanas e folclore japonês. O jogo possui falhas que o impedem de ser um clássico instantâneo, mas nada que não possa ser corrigido no futuro e tornar esse jogo em uma franquia de sucesso. O primeiro passo já foi muito bom, e serviu para reanimar um gênero que vinha precisando de sangue novo.


    ________________________________________


    Obrigado a todos que leram a Análise. Queria deixar um abraço ao meu grande amigo Melhor Final por poder liberar a Fonte da história do Game e sua Parte da Analíse da Jogabilidade.

    Relembrando que a História e o Resumo do Game, foram retirados do site Melhor Final, apenas digitei minha análise. Espero que tenha gostado, Grande Abraço a Todos.

    By : Teteu
    avatar
    Mulder


    <b></b> :
    Online
    Offline

    <b>Data de inscrição</b> Data de inscrição : 14/06/2010
    <b>Mensagens</b> Mensagens : 10677
    <b>Pontos</b> Pontos : 12170
    <b>Avaliações Positivas</b> Avaliações Positivas : 328

    Aprovado Re: Fatal Frame

    Mensagem por Mulder em 18/7/2013, 01:55



    Atenciosamente, Staff Games 4Evil!

      Data/hora atual: 24/9/2017, 23:27